Minhas Folhas de Relva

percepções do cotidiano em letras livres

O necessário fardo de ser x a insustentável leveza 15/02/2013

Filed under: Comportamento,Cotidiano,Divã — Aline Moraes @ 10:47 PM
Tags: , , ,

Domingo eu completo 26 anos de vida. Os últimos dois valeram por vários. Anos de descoberta, de libertação (mas também de novas amarras), de experimentação, de sofrimento, de júbilo. Deixar-se descobrir, aceitar suas excentricidades e deixar que os outros te descubram, te aceitem… Taí uma tarefa difícil… Afinal, “permitir-se” carrega, ao mesmo tempo, o fardo dos julgamentos, dos estereótipos e dos excessos. Peso ou leveza, qual desses dois opostos é melhor? Acabei de começar a ler Kundera pela segunda vez e é esse um dos primeiros questionamentos que ele faz no livro:

* * *

“O mais pesado fardo nos esmaga, nos faz dobrar sob ele, nos esmaga contra o chão. Na poesia amorosa de todos os séculos, porém, a mulher deseja receber o peso do corpo masculino. O fardo mais pesado é, portanto, ao mesmo tempo a imagem da mais intensa realização vital. Quanto mais pesado o fardo, mais próxima da terra está nossa vida, e mais ela é real e verdadeira.

Por outro lado, a ausência total de fardo faz com que o ser humano se torne mais leve do que ar, com que ele voe, se distancie da terra, do ser terrestre, faz com que ele se torne semi-real, que seus movimentos sejam tão leves quanto insignificantes. Então, o que escolher? O peso ou a leveza?”

* * *

Esse é o meu dilema pré-Balzaquiano. Aqueles que escolhem o pesado sentem a pressão de serem leves. De flutuarem incólumes pela sociedade. De não se exporem. De não mostrarem sua face feia ou esquisita ou excêntrica. Uma pluma que nunca pousa sobre superfície alguma. E por escolherem o outro lado, acabam incompreendidos – ou mal interpretados. Eu sou dessas que não flutua. E vivo em conflito entre esses dois pólos contraditórios de Kundera. Mas aí ouço Macy Gray dizendo que “você tem que expressar o que é tabu em você, e compartilhar suas esquisitices com o resto do mundo. Porque é uma coisa linda!”. E, concordando, eu canto junto, satisfeita por fazer minhas próprias revoluções internas…
* * *

* * *
Segue a letra:

Everybody shake it! Time to be free amongst yourselves. Your mama told you to be discreet and keep your freak to yourself. But your mama lied to you all this time. She knows as well as you and I you’ve got to express what is taboo in you, and share your freak with the rest of us. ‘Cause it’s a beautiful thing!

Everybody break it! Every rule, every constriction. My papa told me to be home by now, but my party has just begun. Maybe he’ll understand that I got to be the freak that God made me. So many things that I want to try. Got to do them before I die.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s