Minhas Folhas de Relva

percepções do cotidiano em letras livres

Burocracia para crianças 23/04/2010

Filed under: Comportamento,Cotidiano — Aline Moraes @ 9:51 PM
Tags: , , , ,

O homem de uns 40 e poucos anos entrou na fila indignado. “Como assim tem que fazer carteirinha para entrar na Biblioteca?!!!” Ele só queria dar um passeio com sua filhinha de 4 anos em meio a pufs coloridos, computadores e um monte de livros. Sua indignação ficou pior quando minha mãe perguntou se ele havia trazido comprovante de residência. “Precisa, é??? Não acredito numa coisa dessas…”

No feriado de Tiradentes, o Parque da Juventude (onde ficava o Carandiru) estava lotado. E a Biblioteca de São Paulo virou atração turística. Um bocado de gente querendo entrar para ver esse espaço de primeiro mundo construído em plena terceira divisão! O prédio retangular e comprido, com vidros estilisados na fachada e uma decoração colorida, chama a atenção de quem nunca viu uma biblioteca desse jeito na vida. Com cara de livraria, mas onde tudo é de graça. É nosso.

Além do pai meio careca com sua filha de 4 aninhos, estava eu e minha mãe, um casal de jovens namoradas, uma moça de chinelas gastas carregando um bebê no colo e sua filha ao lado, um grupo de “japas” idosos, mais duas amigas descoladas. E mais algumas pessoas que não lembro como descrevê-las. A fila não era muito grande, mas não andava nunca. Algumas pessoas até desistiram no meio do caminho…

(more…)

 

“Passeio de índio” – A Biblioteca de São paulo 22/04/2010

São Paulo guarda gratas surpresas. Na verdade, nem deviam ser tão surpreendentes assim. Parece que a gente se acostuma a não prestar muita atenção em obras públicas. Se são obras de caráter cultural então… Parece que nunca vale a pena. Ok. Falo por mim. Nunca botei muita fé nos projetos que o governo estadual estava implementando no Parque da Juventude, onde antes ficava o Complexo Penitenciário do Carandiru, na Zona Norte de Sampa.

Recentemente, descobri que eles criaram um curso técnico em música e artes cênicas, para quem ainda faz o colegial, lá no Parque. Não chequei as dependências do lugar porque a recepcionista me barrou (não me lembro por que razão, mas não tinha razão, pelo que eu me lembre…). Mas gostei do que vi do lado de fora: num pequeno tablado de madeira, três jovens maquiados e com roupas coloridas tocavam violão e ensaiavam alguns movimentos com o corpo. “Bom, alguém deve fazer esse curso. Menos mal”, pensei.

Há algum tempo, a imprensa noticiou uma biblioteca de “padrão internacional” que havia sido inaugurada também nas dependências do Parque da Juventude. Nem dei muita bola a princípio. Mas, depois que vi que no bairro onde eu devo morar em Londres tem uma biblioteca pública que parece uma livraria, pensei que, de fato, a Biblioteca de São Paulo podia ser uma realidade muito bem vinda para os paulistanos.

(more…)