Minhas Folhas de Relva

percepções do cotidiano em letras livres

A novela do MTB 04/11/2011

Registro Profissional do Jornalista. Depois de todo o rolo do diploma, me esqueci de que o MTB um dia seria necessário. Voltei de Londres com essa pendência pra resolver, mas fui deixando pra lá… pra lá… arranjei trampo, ninguém quis saber de MTB… e fui deixando mais pra lá. Mas a necessidade bateu à porta e a novela mexicana começou. A história de amor ao contrário entre Maria do Bairro Santana e Antonio Carlos Burocrático.

Quando comecei a pesquisa sobre como tirar o MTB, fiquei desesperada. Vários depoimentos falando mal do serviço; da necessidade de levar um livro pra suportar a fila; de como demora, pelo menos, dois meses pro registro sair; de gente que foi até Piracicaba pra conseguir o MTB na hora… e por aí foi.  A documentação também foi um problema. Quando você pesquisa no Google, aparece uma matéria no site do Sindicato dos Jornalistas de…2005! As melhores informações eu consegui em blogs de outros sofredores como eu. Infelizmente, o site do Sindicato e o do Ministério do Trabalho ou estão defasados ou, simplesmente, tornam complicadíssimo achar qualquer informação na busca.

Depois da minha saga, das pesquisas, dos e-mails trocados com quem já tirou MTB e das caras na porta que eu tomei, acho que minha experiência vai ajudar outros perdidos e coitados, em busca de uma simples etiqueta na carteira de trabalho. Pra saber, clique em “Mais” >>>
(more…)

 

Burocracia para crianças 23/04/2010

Filed under: Comportamento,Cotidiano — Aline Moraes @ 9:51 PM
Tags: , , , ,

O homem de uns 40 e poucos anos entrou na fila indignado. “Como assim tem que fazer carteirinha para entrar na Biblioteca?!!!” Ele só queria dar um passeio com sua filhinha de 4 anos em meio a pufs coloridos, computadores e um monte de livros. Sua indignação ficou pior quando minha mãe perguntou se ele havia trazido comprovante de residência. “Precisa, é??? Não acredito numa coisa dessas…”

No feriado de Tiradentes, o Parque da Juventude (onde ficava o Carandiru) estava lotado. E a Biblioteca de São Paulo virou atração turística. Um bocado de gente querendo entrar para ver esse espaço de primeiro mundo construído em plena terceira divisão! O prédio retangular e comprido, com vidros estilisados na fachada e uma decoração colorida, chama a atenção de quem nunca viu uma biblioteca desse jeito na vida. Com cara de livraria, mas onde tudo é de graça. É nosso.

Além do pai meio careca com sua filha de 4 aninhos, estava eu e minha mãe, um casal de jovens namoradas, uma moça de chinelas gastas carregando um bebê no colo e sua filha ao lado, um grupo de “japas” idosos, mais duas amigas descoladas. E mais algumas pessoas que não lembro como descrevê-las. A fila não era muito grande, mas não andava nunca. Algumas pessoas até desistiram no meio do caminho…

(more…)