Minhas Folhas de Relva

percepções do cotidiano em letras livres

Divisor de águas 10/05/2013

Filed under: Cotidiano,Intercâmbio — Aline Moraes @ 9:03 PM
Tags: , , , ,

Em Agosto de 2010, minha Mamis desceu as escadas do Buffet ao som desta música. Marcou para ela a comemoração pelos 50 anos. Para mim, o início de uma nova etapa, do outro lado do Atlântico. Eu escolhi essa música, pra mim e pra ela. E é ela que eu cantarolo toda a vez em que algum novo divisor de águas está prestes a se instalar em minha vida. Quer metáfora mais bonita que a de um céu claro o bastante, depois da tempestade, que te permita ver os obstáculos a frente e ainda acreditar que os dias serão brilhantes???

I can see clearly now the rain is gone. I can see all the obstacles in my way. Gone are the dark clouds thar had me blind. It’s gonna be a bright sunshiny day!

* * *


 

A Carta e o Vírus 09/05/2013

Filed under: Comportamento,Cotidiano,Divã — Aline Moraes @ 11:47 PM
Tags: , , , , , , , ,

* * *

Ela é endereçada a mim, a você… A nós que – mesmo a trancos e barrancos – sabemos que a tal felicidade é uma busca cheia de esperança e contentamento pelo caminho. Que “a tristeza tem fim“. E que os momentos bons é que ficam

Não vá levar tudo tão a sério…
Sentindo que dá, deixa correr.
Se souber confiar no seu critério,
Nada a temer.

Não vá levar tudo tão na boa…
Brigue para obter o melhor!
Se errar por amor, Deus abençoa.
Seja você.

No que sua crença vacilou,
A flor da dúvida se abriu…

Ah, se todo o mundo pudesse saber
Como é fácil viver fora dessa prisão
E descobrisse que a tristeza tem fim
E a felicidade pode ser simples como um aperto de mão.
[Entendeu?]

É esse o vírus que eu sugiro que você contraia.
Na procura pela cura da loucura,
Quem tiver cabeça dura vai morrer na praia…
[Viu?!]

 

Fase Raul 13/03/2013

Filed under: Cotidiano,Cultura — Aline Moraes @ 1:08 AM
Tags: , , ,

Ganhei, em 2010, um CD com as melhores músicas Lado B do Raul Seixas. Era pra eu levar de lembrança para a Inglaterra, mas quem disse que eu consegui ouvir o CD????! Foi no último final de semana que, sei lá por quê, resolvi desenterrá-lo, ouvi-lo no carro e… ahhh! Como me extasiei com as letras de Raulzito! Ele me lembra algo importante: uma filosofia de vida que talvez não seja exatamente a minha, mas que é muito inspiradora. Filosofia de questionamento, de liberdade, de “toque o foda-se nessa sociedade controladora e moralista“. Uma injeção de ânimo

“Faça, fuce, force, mas não fique na fossa… Faça, fuce, force, mas não chore na porta… Faça, fuce, force, vá! Derrube essa porta. Trace, fuce, force, vá! Que essa chave é torta…”

“Enquanto eu provo sempre o vinagre e o vinho. Eu quero é ter tentação no caminho. Porque o homem é o exercício que faz.”

“Toda vez que eu sinto o paraíso, ou me queimo torto no inferno, eu penso em você meu pobre amigo. Que só usa sempre o mesmo terno. Todos os caminhos são iguais, o que leva à glória ou à perdição. Há tantos caminhos, tantas portas. Mas somente um tem coração. E eu não tenho nada a te dizer, mas não me critique como eu sou. Cada um de nós é um universo, Pedro. Onde você vai eu também vou. Mas tudo acaba onde começou.”

Conserve seu medo, mas sempre ficando sem medo de nada. Porque dessa vida, de qualquer maneira, não se leva nada. E ande pra frente olhando pro lado. Se entregue a quem ama, na rua ou na cama, mas tenha cuidado…”

E aonde está a vida? Aonde está a experiência? Já te entregam tudo pronto, sempre em nome da ciência, sempre em troca da vivência. E aonde tá a vida? E a minha independência?

E deixo essas letras aqui como inspiração para dias mais intensos e profundos e honestos.

 

Loucura, dá um tempo… 25/02/2013

Filed under: Cotidiano,Cultura — Aline Moraes @ 9:13 PM
Tags: , , , , ,

Loucura, dá um tempo… Que eu quero ter mais tempo pro amor.
Contra ti, loucura, eu canto… E do peito se afasta qualquer sinal de dor.
Loucura, eu sei que volta… Mas sempre há razão pra, de novo, impor:
Loucura, dá um tempo… Que eu quero descanso e mais amor.

* * *

* * *

Lenine se inspirou no Mestre Guimarães Rosa. Leia aqui!

 

To Build a Home 15/02/2013

Filed under: Cotidiano — Aline Moraes @ 12:01 AM
Tags: , , ,

Para coroar o post publicado antes, a música To Build a Home, da Cinematic Orchestra. Um amigo me indicou uma lista das 100 músicas mais bonitas do mundo, aquelas que fizeram alguém dizer “Nossa, eu morreria por isso!”. A música que eu ofereço agora é a terceira da lista. E, nesse momento, eu morreria por ela…

* * *


 

A vida é uma grande ilusão 31/01/2013

Filed under: Comportamento,Cotidiano — Aline Moraes @ 9:25 PM
Tags: , ,

Tem dias que eu fico pensando na vida e, sinceramente, não vejo saída. Como é, por exemplo, que dá pra entender: a gente mal nasce, começa a morrer. Depois da chegada vem sempre a partida, porque não há nada sem separação. Sei lá, sei lá, a vida é uma grande ilusão… Sei lá, sei lá, só sei que ela está com a razão.

A gente nem sabe que males se apronta. Fazendo de conta, fingindo esquecerque nada renasce antes que se acabe e o sol que desponta tem que anoitecer. De nada adianta ficar-se de fora. A hora do sim é o descuido do não. Sei lá, sei lá, só sei que é preciso paixão.  Sei lá, sei lá, a vida tem sempre razão.

E você tinha razão, Toquinho. Mas vou deixar na voz da Mart’nália.

***

 

Grey Room – frustrações e inspiração 01/06/2012

Filed under: Cotidiano,Cultura — Aline Moraes @ 1:13 AM
Tags: ,

Uma música maravilhosa… Sobre frustrações e inspiração. Porque todos nos pegamos, de tempos em tempos, dentro de um quarto cinza. But not for long.  Cheers, Damien Rice! You’re the man!

Well, I’ve been here before… Sat on a floor, in a  grey, grey room.
Where I stay in all day, I don’t eat but I play with this grey, grey food…

Désolé, if someone’s praying and than I might break out…
Désolé, even if I scream I can’t scream that loud…

I’m all alone again… Crawling back home again… Stuck by the phone again…

Well, I’ve been here before, sat on a floor in a grey grey mood.
Where I stay up all night and all that I write is a grey, grey tune…

So, pray for me child, just for a while, that I might break out.
Pray for me now child, even I smile would do for now…

‘Cause I’m all alone again… Just crawling back home again… Stuck by the phone again…

Have I still got you to be my open door?
Have I still got you to be my sandy shore?
Have I still got you to cross my bridge in this storm?
Have I still got you to keep me warm?

If I squeeze my grape, than I drink my wine….
If I squeeze my grape, than I drink my wine…

Oh, ‘cause nothing’s lost! It’s just frozen in frost, and it’s opening time!
There’s no-one in line, but I’ve still got me….
…to be your open door…
I’ve still got me to be your sandy shore…
I’ve still got me to cross your bridge in this storm…
And I’ve still got me to keep you warm…
Warmer than warm, yeah… Warmer than warm, yeah…
Warmer than warm, yeah…!

* * *